quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Talentos de Siderópolis são destaques no XIV concurso literárioda academia criciumense de letras - 2013

Foram anunciados, no último dia 7, os laureados no XIV CONCURSO LITERÁRIO 2013, da ACADEMIA CRICIUMENSE DE LETRAS-ACLe. Para satisfação dos que amam cultura e mais exatamente literatura, talentos de Siderópolis foram laureados, em diversas categorias.
Ao final do ano em dezembro, haverá entrega de medalhas e diplomas comemorativos, além de um exemplar da REVISTA ACADÊMICA DA ACLE 2013, em sua XV edição, onde estará ínsita a obra de cada um destes talentos que orgulham muito a nossa terra e região, já que o CONCURSO LITERÁRIO  da ACLE é considerado o maior do Estado de Santa Catarina, e que tive a honra de coordenar em suas primeiras 8 edições.

Os laureados e suas classificações, com excertos de sua obra, são:

BRUNA REZENDE DA SILVA, com a poesia “Voar sem ter asas...”, 1º LUGAR na CATEGORIA INFANTIL:
“Ler é simplesmente...
Viajar sem sair de casa,
Aprender sem ir à escola,
Divertir-se sem nenhum brinquedo,
Gargalhar sem que ninguém tenha lhe contado uma piada,
Sonhar sem estar dormindo,
Sentir a emoção sem ter presenciado,
Descobrir sem explorar,
Desvendar sem que seja detetive,
Refletir sem ser filósofo,
Voar sem ter asas.
É saber que “o essencial é invisível aos olhos humanos”,
É imaginar um mundo novo à espera de conquista,
E sair caminhando procurando conquistá-lo.”

AMANDA DE MATTIA, com a poesia “Doce Infância”, 3º LUGAR na CATEGORIA JUVENIL:
“Desejos impossíveis de voltar no tempo
Correr sentindo no rosto o sopro do vento
Voltar para casa contrariado
Deitar e sonhar com o mundo encantado.
Olhar ao redor e ver magia
Com um lindo sorriso transbordar alegria
Tomar banho de chuva sem pensar no resfriado
Chorar e gritar por joelho ralado.
Reclamar todo dia para ir à escola
E ao chegar lá não querer ir embora
Esperar ansiosamente para ganhar um presente
Ver o papai noel, coelho da páscoa e fada do dente.
Dormir no sofá e acordar na cama
Brincar de rolar no verde da grama
Ficar muito feliz quando a vacina não dói
Fingir ser princesa ou super-herói.
Uma vontade imensa de poder regressar
A esta fase que na lembrança vai ficar
Onde tudo o que mais queremos é crescer
Sem imaginar que as melhores coisas ali vamos viver.”

MÔNICA JULIANA COMIN RODRIGUES DOS SANTOS,  com a poesia “Fendas de uma janela”, MENÇÃO HONROSA na CATEGORIA ADULTO (é significativo lembrar que a professora MÔNICA, hoje acadêmica da ALASI, é premiada pelo 3º Concurso Literário seguido da ACLe):
“O espaço é pequeno
Os ângulos diversificados
Da fenda da minha janela posso ver
Um bocado de telhados.
Se bem que olhando melhor
Pondo-me com a cabeça de lado
Vejo tudo diferente
Mil coisas num só quadrado.
Os telhados que há instantes vi
Agora estão encobertos
Uma densa nuvem de folhas
Há uma floresta por perto.
Tudo se modifica
Se chego um pouco pro lado
O sol entra triunfante
Deixando pra trás o nublado.
Um espaço tão pequenino
A minha imaginação floresce
De repente fecho meus olhos
E tudo desaparece.

MARIA OLIVO COMIN, premiada duas vezes, com 2 MENÇÕES HONROSAS, com as poesias “Medo das Cinzas” e “O último frio”, na CATEGORIA MATURIDADE (vale lembrar que a senhora MARIA OLIVO COMIN já foi laureada igualmente, várias vezes, nos Concursos Literários da ALASI, em Siderópolis)
“Tenho medo das cinzas
Do que foi outrora
Tenho medo das cinzas
Da chama ardente do pecado
Tenho medo das cinzas
Da vida morta
Tenho cada vez mais
Medo das cinzas.”

“Cai a neve
Cai a chuva
Cai o véu na minha face
Vem o frio da sepultura.”

Nós, membros da ACADEMIA DE LETRAS E ARTES DE SIDERÓPOLIS-ALASI, estamos muito orgulhosos com esta láurea recebida por estes talentos, já que também já foram premiados em nossos Concursos e, por isso, é que consideramos sua projeção fruto do trabalho de revelação de talentos literários empreendido pela ALASI, e dando frutos certos em literatura.
A todos, suas famílias, seus colégios e professores que os dinamizaram, os nossos PARABÉNS.

Ronaldo David

ALASI

Powered by 123ContactForm | Report abuse