quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Projeto Solidariedade Colégio Dom Orione‏

  • *20/11/2013: Visita ao idoso:


                 Sírio Bez : 8° ano do Ensino Fundamental II.

    O dia 21 de novembro de 2013 foi um dia muito especial para o nosso projeto, pois durante todo este ano visitando os idosos e doentes, somente nesse encontro tivemos o privilégio e a oportunidade  de conhecer e alegrar três idosos num mesmo dia. Sendo que os mesmos eram os avós paternos e a avó materna de um aluno da turma, Artur Sirio Bez.
    Nossa visita aconteceu no  período matutino com uma parte da  turma do 8°ano do Ensino Fundamental II, visitando o casal Sírio Bez e dona Maria, acompanhados de dona Delvenir. Receberam - nos muitíssimos bem, na qual seus cumprimentos, gestos de carinho, logo de início da nossa visita, demonstraram o quanto estavam gratos com nossa presença. Todo o trabalho realizado com muito amo, dedicação e carinho dentro da sala de aula para este momento, foi transmitido com muita fé,  e iluminação de Deus para esta família. Os alunos apresentaram suas orações, frases, paródias, mensagens e entre outras, souberam elogiar, trocar afetos, retribuir gestos de carinho e principalmente serem ouvintes de suas histórias.
                Seu Sírio um homem trabalhador, simpático, atencioso, reservado em suas palavras, lúcido; conta com 83 anos, natural de Jordão, aposentado pelo trabalho rural (agricultor), na qual desde muito cedo já trabalhava na roça ajudando seus pais,  conduziu sua família da melhor maneira possível. Agradece á Deus de estar nesta idade, que  apesar de tomar alguns remédios, seu estado de saúde está bom. Gosta de receber visitas e principalmente de ver o movimento das pessoas, veículos e outros que passam por sua residência. Casado há mais de 60 anos com dona Maria, na qual tiveram 12 filhos, 22 netos e 10 bisnetos.Dona Maria sua esposa, uma mulher de muita fé, solidária, simpática, batalhadora, comunicativa, e  por sinal por ser mais falante nos contou com mais detalhes sobre suas histórias. Em todo o momento de nossa visita, o casal pode nos ensinar entre outros os valores de família, do respeito, da união  e da fé, ou seja, fizeram questão de nos apresentar  a visita muito importante da ´´Mãe Peregrina`` em sua casa.  O espírito de alegria está presente em suas vidas por ter sempre a companhia de sua família; mesmo que tiveram que   saber superar os momentos de saudades por perder parte dela. Seu Sírio e dona Maria sempre foram voluntários em ajudar nosso seminário, desde sua construção até os dias atuais, pois dona Maria é madrinha da Instituição há muitas décadas. Outro relato foi sobre os idosos do futuro, pois a alimentação e os hábitos da juventude de hoje é bem diferente de antigamente. E, entre outras histórias, duas delas chamaram a atenção dos alunos, a primeira da valorização dos estudos, ou seja,  dona Maria queria estudar mais não podia, e ao contrário dela seu Sírio que podia não gostava. Mas hoje todos devem estudar, tem que estudar. -´´Quando escuta alguém de sua família dizer que vai parar de estudar por que tem outros objetivos, dona Maria fica muito triste e até chora``. O outro fato foi sobre a mulher guerreira que conseguiu  ganhar seus 11 filhos em casa somente com a ajuda da vizinha, sendo que apenas um deles contou com o auxilio de uma parteira.   
                Encerramos nossa visita contentes por realizar mais uma ação solidária, pelo acolhimento desta família nos proporcionando o  contado e o conhecimento de mais um casal de idosos de nosso município; e pela ação voluntária do motorista Caçula em nos conduzir.

    *20/11/2013: Visita ao idoso:

                                  Ida Zanim Bez Birolo:   8° ano do Ensino Fundamental II

    ´´ Hoje é um dia especial que estamos felizes em poder transmitir a você um pouco de nossa alegria! Carisma1 E as palavras de São Luíz Orione!``Frase esta em que os alunos mencionaram na visita ao idoso do dia vinte de novembro do Projeto Solidariedade. Esta atividade tem a dimensão de proporcionar a eles o desenvolvimento de alguns valores como: saber respeitar , ser ouvinte, fazer amizade, ser solidário, ter espiritualidade entre outros, amar ao próximo.
    Aquela manhã chuvosa não foi nenhum obstáculo para  a ansiedade, a alegria e a espera que os alunos do 8° ano do Ensino Fundamental II estavam para conhecer mais uma pessoa importante de nossa cidade, e também por ser a  avó de uma das alunas da turma Sandy Bez Birolo Martins ou seja, conhecer dona Ida Zanim Bez Birolo 
    Com certeza esta aula diferente, neste dia especial,  fomos privilegiados em muitos aspectos, sentir e desfrutar de um lugar muito bonito, com ar puro, muito verde, frutas , flores,  verduras,  toda uma paisagem natural e  ouvir as histórias de dona Ida que estava nos esperando em sua aconchegante casa. Depois de todos acomodados começamos nossas apresentações cantando, orando, mencionando frases, paródias, e entregando nossas lembranças como o cartaz de mensagens, a imagem e história de nosso santo . Mas  o  momento mais importante foi  conhecer a história dela, transmitir afeto e fazer amizade.
     Falar de dona Ida é relatar uma idosa serena, solidária, comunicativa, católica, muito carinhosa, atenciosa, de uma beleza interior e exterior, que demonstrou a todos seu carisma e a alegria de estarmos ali. Conta com seus 82 anos, viúva há dez anos, na qual ficou casada por mais de 60 anos e desta união construiu sua família de 7 filhos, 12 netos e 2 bisnetos, com muito amor e carinho.  Natural de Urussanga (Rio Deserto), mas  moradora da comunidade Nossa Senhora da Saúde  em Siderópolis desde a data de seu casamento aos 22 anos de idade. Desde muito cedo o trabalho na roça fez parte de sua vida, mas nunca se queixou disso, pois sempre gostou de cuidar da horta e das outras  paisagens naturais. Estudou somente até o 3° ano não por vontade própria, pois teve que parar os estudos para ajudar seus pais; sendo esta uma prática daquela época. O que mais gosta de fazer é rezar. Gosta também de receber visitas. Apesar de tomar alguns remédios, seu estado de saúde é bom. Se considera uma pessoa alegre, e abençoada porque tem uma bonita família, que se faz presente sempre que possível, é paciente com sua cunhada Adina que está  em sua companhia há aproximadamente 20 anos, conta com 87 anos e  conta com cuidados especiais. Dentre todos os relatos dois deles foram verdadeiras aprendizagens, na qual os alunos ficaram impressionados; ou seja,  segundo ela  ´´- Para chegar a minha idade bem com sucesso, todos devem serem animados , otimistas,  estudar e ter uma religião.`` Então o primeiro deles foi sobre seu tempo escolar. Antigamente se passava muito trabalho para estudar, a escola não tinha muitos recursos e a maneira de estudar era diferente. Até mesmo quanto ao castigo, na qual dona Ida relata um deles, o aluno tinha que escrever várias vezes a mesma frase, com o significado da ação correta de sua infração.( Não devo.....) O outro fato foi sobre sua fé, sua espiritualidade. Ela reza todos os dias o terço, faz questão de rezar com todos da sua família sempre que possível,  agradece os ensinamentos religiosos herdados de seus pais. Comenta sobre a importância de Deus em nossas vidas  ´´- Ele é nosso Pai, acima de tudo. ``E o quanto a tecnologia afastou, atrapalhou um pouco a oração nas famílias. E por fim,  Dona Ida deixou uma bonita mensagem para os alunos , que eles estudassem bastante, que obedecessem seus pais e seus professores e nunca esquecessem de rezar. Foi uma manhã muito gostosa e inesquecível.
                Encerramos nossa visita contentes, primeiro por conhecer dona Ida  e  aprender com ela  ´´A ser otimista, confiar em Deus para saber enfrentar os problemas e levar a vida da melhor maneira`` e em segundo por sentir o quanto foi importante esta visita; para nós uma nova amizade e aprendizagem e para ela minutos de alegria, descontração e valorização. Sua gratificação foi tamanha que fez questão de oferecer doces e frutos de seu pomar e convidar nos para voltar outro dia. E não podemos esquecer de mencionar também o trabalho voluntário do motorista Caçula dando suporte para a realização desta ação.



    22/11/2013: Visita da Amizade:

                                  Ramom Lucas Carminatti:   9° ano do Ensino Fundamental II

    ``Eu vim de longe para encontrar o meu caminho. Tinha um sorriso, o sorriso ainda valia.  Achei difícil a viagem até aqui. Mas eu cheguei, mas eu cheguei!!
    Confiar em Deus, ter esperança, saber enfrentar os problemas e ainda poder desfrutar de uma vida serena, digna, alegre, com prazer, com boa memória, entre outros valores; foram experiências ouvidas, ensinamentos aprendidos em nossa visita solidária. Conhecer  Ramom Lucas Carminatti e sua família foi um privilégio para todos nós,  um jovem de 22 anos de idade, carismático, otimista, conversador, católico, muito bonito,   morador do bairro Rio Fiorita, que; ao conhecermos sua história ouvimos um emocionante depoimento de graças alcançadas.
                Nossa caravana da solidariedade, conduzidos pelo micro do Colégio e pelo trabalho voluntário do motorista Caçula, prestou homenagens ao Ramom . Na caminhada de muitas visitas já realizadas, esta foi nossa primeira ação solidária conhecendo um jovem de nossa cidade. Na manhã do dia vinte e dois de novembro, o tempo chuvoso não foi nenhum obstáculo para  a ansiedade, a alegria e a espera que os alunos do 9° ano do Ensino Fundamental II  estavam para realizar este encontro. Ramom e seus pais estavam nos esperando em sua residência e fomos muitíssimos bem recebidos por eles, na qual  demonstraram muita satisfação e alegria de estarmos ali.
     Abençoados por Deus e iluminados por São Luíz Orione foi um dia muito importante, na qual transmitimos nossa fé, cantando e orando, demonstramos nossos valores de carinho, amizade, respeito, valorização ao ser humano, sabendo ouvi-lo, realizando as perguntas, trocando afetos; e ao despedirmos deixamos nossas lembranças, um cartão, uma imagem de nosso Santo, um cartaz com mensagens de cada aluno. Nessa visita nossa aprendizagem foi além do esperado, pois aproveitamos a acolhida da família, a simpatia, o bom humor de Ramom para conhecer suas vivências e tentar seguir seus conselhos. Sua  história inicia nos contando sobre sua vida escolar, completou o  2° grau se formando em eletricista e ingressando ainda muito cedo para este tipo de trabalho, pois sua idade foi um obstáculo para praticar esta profissão; sem experiência para exercer uma atividade que segundo os profissionais da área era um pouco perigosa para ele; sua segunda opção foi aceitar o convite de sua irmã para viajar, morar, trabalhar, conhecer e adquirir experiência em outros países. Ficou algum tempo trabalhando sem os  documentos da dupla cidadania, e conta que não foi muito legal, pois neste período não se sentia  totalmente livre  para suas escolhas; principalmente nos trabalhos. Dentre os países que morou o melhor deles foi a Áustria. Trabalhou em diversos serviços, conheceu muitos amigos, passou por muitos obstáculos e assim decidiu pegar umas ´´férias`` vindo para o Brasil.  E foi neste período  que sua vida passou por  muitas mudanças, tanto físicas, sociais quanto psicológicas e emocionais. Sendo que, soube enfrenta – las com muito otimismo, dedicação, persistência e principalmente obteve sucesso por contou sempre com o apoio da família e também dos amigos. Segundo depoimentos de Ramom,  sua experiência  em estar envolvido em  um acidente e passar por muitos diagnósticos, pelas várias  etapas clínicas de recuperação, na qual seu estado de saúde apresentou algumas dificuldades, por exemplo a de se locomover; foram momentos reflexivos para que  redescobrisse dentro de si, o poder da oração, da fé em Deus e da perseverança de continuar lutando pela vida e  pelos seus sonhos e objetivos. Sua família e ele comentaram um fato um pouco triste sobre como a sociedade ainda não está preparada para receber os cadeirantes, principalmente quanto falta de infra estrutura nas cidades, mas relataram contentes pelo atendimento e assistência recebida pelo Hospital Sarah Kubitschek.  
    Conhecer a história de Ramom foi com certeza uma aula presencial para o desenvolvimento do QE (coeficiente emocional) de nossos alunos. Na qual tiveram a oportunidade de assimilar suas palavras, experiências, sendo como o exemplo de  um jovem determinado que fez de sua fé e persistência seu objetivo maior para viver. Que apesar dos obstáculos, encontra muitos prazeres na vida, ou seja, assistir um bom filme, conversar com outras pessoas principalmente se o assunto for agradável.
                Encerramos nossa visita gratos pela família que nos recebeu, pelos minutos de atenção de Ramom , pela paciência e voluntarismo do motorista ´´Caçula`` em nos esperar; e por fim em poder realizar mais uma ação solidária e conhecer a história de um jovem guerreiro.

Powered by 123ContactForm | Report abuse